Informações por telefone e primeiros-socorros podem ajudar a salvar o seu pet

É comum ouvirmos a clássica comparação entre pets e crianças. Entre quem se considera mamãe ou papai de pet e quem prefere ser chamado de tutor, uma preocupação costuma ser a mesma: o que fazer se meu bichinho sofrer um acidente? Em situações emergenciais, contar com um atendimento 24 horas por dia pode fazer a diferença para salvar a vida do seu amigo de quatro patas.

Não basta saber onde levar o cachorro ou gato durante uma emergência, muitas vezes uma simples ligação pode ser o diferencial entre manter o seu pet saudável ou não. Dispor de um atendimento ininterrupto, todos os dias do ano, pode ser um grande aliado ao bem-estar do animal. Melhor ainda se puder falar diretamente para o médico veterinário e receber as primeiras orientações com rapidez. Mesmo à distância, este cuidado pode ser crucial.

O veterinário Daniel Cooper conta que, em muitos casos, orientações médicas por telefone tendem a sanar boa parte das dúvidas dos tutores de pet. “De acordo com as normativas dos conselhos, estas orientações se restringem apenas a informações em que não existe risco a saúde do animal e desde que não haja necessidade de realizar prescrições ou um atendimento efetivo ao animal. Mesmo assim, essa triagem garante a segurança e qualidade no atendimento presencial, pois direcionamos perfis de unidades e equipe  diferentes para cada caso individualmente”, esclarece Cooper, que é diretor de Operações do plano My Pet.

Segundo ele, o profissional veterinário pode ajudar o tutor com orientações para auxiliar o bichinho em um momento de crise até a chegada da unidade de atendimento ao local ou até o cliente chegar a uma clínica ou hospital. Todos já ouvimos sobre atendimento de primeiros socorros, principalmente quando o assunto é uma emergência. Mas pouco se fala sobre os procedimentos que podemos fazer para salvar um pet – afinal, em algumas situações, agir de forma rápida e assertiva é essencial para que a situação não se agrave.

Em casos de engasgo, por exemplo, tirar o alimento ou objeto da garganta do bichinho com os dedos pode impedir um sufocamento. Colocá-lo de cabeça para baixo, dando leves tapinhas nas costas, também pode ser uma boa opção. Se a situação em questão for um corte, estancar o sangramento com um pano limpo pode evitar a perda de sangue em excesso até a chegada do veterinário. Em caso de falta de ar, tentar acalmar o pet pode fazer uma grande diferença.

Também é importante saber o que não fazer em determinadas situações:

  • Queimaduras- se em seres humanos tendemos a aplicar pomadas em cima do ferimento, em cães e gatos a única recomendação é resfriar o local com água corrente e cobrir com um pano úmido
  • Acidente com fratura- não tente colocar o osso no lugar por conta própria;
  • Vômitos e/ou diarreias- jamais utilizar medicamentos humanos para controlar os quadros, pois muitos deles podem causar intoxicação, de acordo com características raciais e entre espécies.

Os primeiros socorros podem ser determinantes para o tratamento posterior do seu bichinho. Mas vale ressaltar que, mesmo para quem já domina algumas técnicas emergenciais, o atendimento feito por um profissional da área de saúde animal é indispensável: nenhum procedimento rápido substitui uma consulta veterinária.

O My Pet trabalha para passar segurança aos tutores e papais de pets, oferecendo todos os cuidados que o animal possa precisar – desde consultas veterinárias e exames de rotina, até atendimentos de urgência e emergência.  Contamos com atendimento 24 horas, todos os dias do ano. Além disso, mantemos uma rede de parceiros para acolher seu pet caso precise de seguir para uma internação ou qualquer outro cuidado médico após o atendimento.

Para saber mais sobre como funciona o atendimento do plano My Pet, acesse aqui.

Mais Notícias

AnimaLover: novo parceiro em São José dos PInhais

Leia mais

Gripe em pets é tema de Live do My Pet

Leia mais

Cuidados com os pets no inverno

Leia mais